A repressão em seis eventos dessa semana

(3/5/2017)

Em apenas uma semana seis eventos gravíssimos aconteceram.

Os eventos expressam a gravidade do momento em que vivemos no Brasil, talvez uma virada definitiva na conjuntura política. Combater essa avalanche autoritária, as arbitrariedades cometidas, o modo de atuação desse Estado violento e racista que se alimenta da legitimidade social punitivista precisa ser a prioridade de toda a esquerda e aqueles que estão na luta hoje.
– Três companheiros trabalhadores sem-teto foram presos e continuam presos sem nenhuma prova por estarem se manifestando no dia da greve geral. Amanhã tem vigília denunciando essa arbitrariedade e também o caso do Rafael Braga que continua preso: https://www.facebook.com/events/156199361580725/

– Ontem (2/5), companheiros refugiados palestinos e antifascistas foram presos porque estavam se defendendo de ataques fascistas e xenófobos produzidos por uma marcha contra imigrantes de um grupo chamado “Direita São Paulo” e que contou com todo o apoio da polícia, inclusive, para bater nos palestinos. Para entender mais o que é esse grupo: goo.gl/IYp0TL

– Mateus Ferreira da Silva, o estudante de ciências sociais de Goiânia, continua internado por ter sido gravemente ferido por um policial militar durante uma manifestação. goo.gl/fOirDS

– Uma adolescente na região metropolitana de MG foi baleada, na boca, atingida por uma bala de borracha em uma reintegração de posse ILEGAL de uma ocupação. goo.gl/BddH1T

– O massacre contra indígenas e camponeses também está aumentando de forma preocupante. Uma emboscada armada por fazendeiros e com cumplicidade policial provocou um massacre contra indígenas no maranhão. De acordo com a Pastoral da Terra, 2016 bateu recorde de violência no campo, com 1.079 conflitos por terra, um aumento de 40% em relação ao ano anterior (que teve 771 casos): goo.gl/oTUnso

– Uma CPI da Funai absurda, armada pela bancada ruralista, agora quer criminalizar lideranças indígenas e amigos antropólogos (Que JÁ estão sendo indiciados!) . O documento é dedicado a um bandeirante. goo.gl/AKyVJe

Precisamos de redes mais integradas de resistência, muito apoio jurídico, coordenação nas redes, articulações internacionais, proteção para todos e todas que estão sendo criminalizadxs. Exceção é a regra.

Precisamos estar fortes, atentas e organizadas.

Marcações: